Malhando com o celular por perto hein?

junho 08, 2016 Por Em Saúde tags: , , ,

Certamente agora ele está no seu bolso, preso na calça, dentro da bolsa, na sua frente, ou até mesmo em sua mão. Um dos motivos para que isso aconteça é porque ele mexe com três dos cinco sentidos do corpo humano: o tato, ao tê-lo sempre em contato com o corpo; a visão, ao deixá-lo sempre perto de você e a audição, pois seu ouvido está treinado para alertá-lo ao toque musical escolhido. Agora só falta inventarem um celular perfumado e temperado.

Digo isso porque trabalhar com os sentidos do corpo significa fazer muitas coisas já no automático, isto é: não pensamos nem raciocinamos, já fazendo parte da nossa naturalidade reagir a determinadas situações através dos nossos sentidos. Por isso, acabamos nos acostumando com a ação desenvolvida pela rotina e tornamos isso um hábito.

É normal enxergarmos pessoas fazendo suas caminhadas com o celular na mão, preso à cintura ou dentro do bolso do calção.

Levá-lo para a academia também, só que, ao invés de deixá-lo dentro da bolsa, ele vai para dentro da sala de treino e fica bem perto de você, de preferência em algum lugar que esteja a alcance dos seus olhos. É a necessidade do uso dos sentidos.

Quem leva o telefone nunca pensa no outro que também tem o seu, mas que, para aquela ocasião, resolve se dar um tempo.

Nunca pensa que podem estar ao seu lado pessoas que se incomodam com aquele aparelho tocando a toda hora. É constrangedor.

E lá está o nosso amigo iniciando seu treino. O que ele mais quer agora é esquecer do trabalho, de casa e dos próximos compromissos. Então, está na hora de exigir do cérebro e dos músculos toda a atenção. Sim, porque precisamos quebrar a barreira física e emocional para conectarmos músculos e cérebro, a não ser que você queira simplesmente fazer um treino social (o que é muito normal nos dias de hoje).

Passado algum tempo, a temperatura muscular começa a subir, aumentam a circulação central e periférica, ossos e articulações ficam mais lubrificados e soltos, a freqüência cardíaca sobe; quebramos aquela inércia articular da qual estávamos, aumentamos a produção de endorfinas e o corpo então começa a responder aos nossos estímulos. É tudo o que ele quer, é tudo o que ele deseja. De uma maneira gradativa, bem dosada e o principal: bem aceita.

Mas, lá pelas tantas, quando toca o telefone, a primeira coisa que nosso amigo faz… é parar ou diminuir. Aquele toque é como se fosse uma ordem imediata de atendimento. Ele pode estar correndo, levantando peso, alongando, jogando tênis, golfe, ou até mesmo relaxando, mas nada interessa. É irresistível não atender.

Primeiro, olha quem está ligando; depois, conforme quem for, atende. Raramente confesso que pode ser importante, mas 99% das vezes não é. E mais, na maioria das vezes,  ele diz que está em qualquer outro lugar, menos na academia. Afinal, para muitos, pega mal dizer.

Assim, quando ele suspende seu exercício, todo o processo de construção feito até agora se perde. Perde concentração, perde ritmo cardíaco, perde foco e atenção, perde temperatura muscular e corporal, hormônios param de ser produzidos e tantas outras coisas importantes.

Na academia,  aluno também nunca pensa no lado do professor, em todo o trabalho feito até agora, desenvolvido para ambos os lados, ou seja: não percebe que aluno e professor devem e precisam estar em sintonia, engajados unicamente em busca de resultados que, juntos, farão com que os objetivos propostos para aquele treino sejam alcançados.

A interrupção do treino, além de desmotivar o professor, mostra a maneira com que o aluno encara seu exercício e seus treinamentos. Pode ser duro, mas é a verdade.

O que queremos é ver essas pessoas fazendo seus exercícios de maneira realmente saudável, de verdade. Queremos vê-las atingindo melhores resultados a cada dia que passa. Queremos mostrar a elas que conectar cérebro e músculos ao mesmo tempo é uma maneira eficaz, segura e inteligente de se exercitar e tirar proveito máximo do organismo.

Experimente um, dois ou três dias de treino, sem o celular ao seu lado. Preste muita atenção no rendimento do seu exercício, porque até o tempo total de treino irá diminuir.  Tenho certeza que você irá se surpreender. Se você conseguir, parabéns!!!! Afinal, a partir de agora, você é mais um daqueles que levam a sua atividade física a sério.

João Batista Rocca Nunes

Sobre:

1 comentários:

  1. Isabel Cristina junho 09, 2016 Reply

    Gostei dessa mensagem. É bem isso que acontece nas academias, ainda mais na minha onde treino!

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *